Ressaca de Mulher Maravilha e uma lembrança do Gladiador

O que está acontecendo com o mundo? O amor morreu? A compaixão ficou fora de moda? O que explica essa sede de violência, desejo por armas e por morte? O que deu errado no mundo para que o senso de humanidade esteja tão corrompido a ponto de humanidade ser sinônimo de caos, destruição e guerra? Infelizmente, eu não tenho essas respostas. O que eu tenho é esperança de que as pessoas boas só estão caladas devido a ferocidade dos que estão tomados pela descrença, pela vingança e pela indiferença à dor do outro. Dizem muito na Internet que a falta de empatia é a doença do mundo moderno. Concordo. Mas, mais que isso, há uma covardia do bom senso. Os raivosos bradam suas armas e o bom senso cala diante da ameaça. Bom senso agora é sinônimo de fraqueza? Respeito, benevolência, tolerância, união, acolhimento… “coisa de gente que não vê a realidade”. A realidade é dura, é cruel, assim como os corações de quem escolheu virar as costas para ela. Se isolar, se abster, fugir da responsabilidade de tornar o mundo um lugar melhor pra se viver. E sim, isso é muito, mas muito, clichê, mas ninguém deveria deixar de desejar isso. Ou o mundo vai se transformar num grande faroeste, em um clima permanente de suspense e desconfiança. Um mundo onde os mais fracos se escondem e os mais fortes se enfrentam até a morte. A violência não pode ser a resposta.
 A tolerância é a chave para o conhecimento. Conhecer o outro, conhecer e reconhecer um ser humano, uma vida, uma história. E é ela que vai nos mostrar que a morte de um ser humano, de milhares ou de milhões, não vai expurgar a maldade do mundo. Lidar com a humanidade das pessoas, o que envolve combater os defeitos da “alma” humana, talvez diminua sua influência. Seja pela política, pela filosofia, pelo debate, pela espiritualidade, o que importa é encontrar a sua resposta para enxergar seus defeitos e derrotá-los. Por mais que a vingança te atraia, por mais que o medo te impeça de conhecer, creia num bem maior. As ideias são imortais, ao contrário de nós. Nossos desejos vão morrer com a carne que nos constitui, mas o bem que você pregar durante sua vida vai ecoar na eternidade.
AUTORIA: Diana Prince
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑